domingo, 27 de fevereiro de 2011

Entrevista - Nick Jonas fala sobre a Diabetes!


Ser diagnosticado com diabetes tipo 1 em 2005, com 13 anos de idade, forço instantaneamente Nick Jonas a crescer. Mas recentemente, o mais novo membro de fala mansa do grupo dos príncipes teen-pop, os Jonas Brothers, tem tido que aguentar um peso maior do que nunca sobre seus pés.

Para principiantes, o cantor e compositor de 18 anos saiu em carreira solo em 2010 com sua banda, Nick Jonas & The Administration; o grupo lançou seu primeiro album, Who I Am, e saiu em turnê pela primeira vez sem seus irmãos. Jonas também retornou as raízes da Broadway no último verão, estrelando a produção londrina de Les Mis e performando no show de 25º aniversário, antes de se jogar na estrada com os Jonas Brothers, a rainha adolescente Demi Lovato e o elenco de seu filme de TV super popular Camp Rock 2.

Além disso, enquanto Nick ainda vive na casa de seus pais, ele tomou mais liderança na gestão de sua diabetes servindo com um modelo e advogado para outros jovens na mesma condição. E isso tudo lidando com os altos e baixos de uma vida normal de adolescente (famoso), incuindo sua vida amorosa nos tablóides.

Antes do ano novo, o Jonas retornou para Los Angeles para descomprimir-se de sua vida em turnê e voltar ao estúdio, onde ele está trabalhando em um novo projeto de música "super secreto". Maduro, humilde e sempre no ponto, ele tirou um tempo para conversar com a Diabetes Forecast. Ele falou sobre todos os pontos de "crescer" por quais ele tem passado ultimamente, e como isso tem influenciado sua carreira, sua saúde, e seu trabalho como advogado, mas também sobre o porque ele sempre será um Jonas Brother,
não importando-se do quanto independete ele se torne.

Fazem agora cinco anos que você foi diagnosticado com diabetes tipo 1. Como as coisas tem mudado de quando você tinha 13 anos para hoje com 18?

Com o tempo, naturalmente, você aprende a melhor forma de gerir a sua diabetes. Eu tive-o durante cinco anos, e você só aprender a lidar. . . . Agora, eu especificamente me sinto muito confiante sobre isso, porque estou no melhor da saúde que eu tenho desde antes do meu diagnóstico. Foi uma verdadeira bênção que ao longo dos anos, minha A1C desceu e para baixo e para baixo [de 12,1 por cento, no momento do diagnóstico]. No meu último exame, foi menor que jamais foi.

Dito isto, como eu cresci em um homem jovem e meu corpo mudou, eu definitivamente estou percebendo mudanças no meu diabetes. Está mudando continuamente, não é como se eu ficasse em um lugar bom e ele permanece lá. Todo dia eu tenho que prestar atenção, olhar para ele, para me certificar de que tudo está legal e ainda intacto, para me certificar de que estou fazendo o melhor que posso para controlá-lo. Definitivamente há tempos, porém, que tenho vontade de dizer: "Eu não quero lidar com isso, eu só quero beber essa Gatorade ou uma fatia de pizza e não ter de lidar", mas eu tenho que dar um passo de cada vez, e eu o faço.

Como eu disse, estou mais saudável do que nunca, e isso me ajuda a ser ativo como sou. Eu sempre fui ativo e atlético, mas hoje em dia, agora estou trabalhando para ter certeza de que cada parte do meu objetivo de manter minha diabetes bem está dando certo desde as coisas que eu como até quanto tempo eu passo no ginásio ou em uma cadeira no estúdio. As menores coisas, como estar sentado em uma cadeira no estúdio o dia todo, vão causar uma alteração na taxa de açucar em meu sangue, isso vai almentar, então eu tenho que estar ativo de alguma forma. Então, eu vou para a sala, toco bateria por um tempo, volto, e tudo isso é bom.

Seus sentimentos em relação a diabetes mudaram?

Uma das maiores mudanças eu acho que foi a mentalidade de homem que veio quando eu fui diagnosticado, com 13 anos percebendo que este é algo que eu tinha de assumir, sozinho, e agarrar. Obviamente, eu tive a ajuda dos meus pais e médicos, mas eu sou uma pessoa independente, e eu realmente confio em mim mesmo em situações como estas. Fui independente por enquanto, eu sou assim, mas quando se trata do meu diabetes, nos últimos quatro a cinco meses, eu tenho que tomar ainda mais responsabilidade. Estou realmente tomando-a para mim mesmo, é importante confiar em seus amigos e familiares quando necessário, mas sabendo que isso é algo que eu tenho, que eu tenho que lidar.

É praticamente, com meus pais e minha família, sabendo que eles estão lá quando eu preciso deles, mas também que eles confiam em mim o suficiente para que eu cuide de mim mesmo, o que é importante para mim. Eu diria que foi uma transição natural, não foi como se fosse premeditado, apenas aconteceu, de certa forma. E eu acho que foi uma transição saudável.
Diabetes não é algo que eu pedi, mas é algo que eu tenho que lidar. De muitas maneiras, eu sou grato por isso. Realmente me ajudou a crescer como pessoa e realmente me abençoou de muitas formas....Como, me fez forte mentalmente, no sentido em que agora eu penso sobre tudo com a lógica por causa do diabetes, porque requer que você a pense com lógica e realmente acho que tudo vai passar. Eu acho que viver dessa maneira é melhor do que viver de uma forma que é perigoso, onde você não está pensando nas coisas. Além disso, eu nunca fui bom em matemática, até eu ter diabetes, e agora eu tenho que ser muito bom em matemática, por isso me ajudou também. [Risos.]

Como é um típico dia ou semana para você, se existe tal coisa?

É realmente difícil dizer. Depende apenas do dia específico, ou da semana, ou ano. Este último ano foi mais um ciclo de turnês, mas nós estivemos na estrada por cerca de sete meses. É engraçado, mas no ano anterior estávamos fora por cerca de 9 meses e meio, o que foi muito. Então, tudo isso varia. Mas todo dia eu acordo, me preparo, me visto, escovo os dentes, talvez, e vou a partir daí.

Agora, eu não estou na estrada. [Os Jonas Brothers] terminaram na América do Sul um tempo atrás, e foi uma grande turnê. Então, eu estou de volta em Los Angeles. Joe está aqui, bem, fazendo alguma gravação. Kevin está em Nova Jersey com seus sogros e sua esposa. Estou fazendo algumas gravações, agora - é um tipo de coisa ultra-secreta que estou fazendo - então eu estou no estúdio por cerca de 14 ou 15 horas por dia, todos os dias. Eu não posso te dizer o que é, exatamente, mas provavelmente vai lentamente ser descoberto, não é tudo só um projeto - é distribuída ao longo de coisas diferentes - mas é realmente uma coisa divertida.

Você está envolvido em tantos aspectos diferentes da indústria do entretenimento - cantando, atuando, compondo: Onde você vê o seu futuro nesse negócio?

O próximo passo para mim, pessoalmente, é escrever e produzir muito para outros artistas - o que vai se tornar uma grande parte da minha carreira. Junto com isso, talvez um pouco de teatro esteja no meu caminho. Eu tive a oportunidade de fazer Les Mis este verão e ser parte do concerto de aniversário de 25 anos, que foi surpreendente, portanto, se a outra parte se sente bem e sente que eu poderia fazer isso, eu adoraria voltar para o palco.

Além disso, os Jonas Brothers ainda vão estar rolando a nova música, provavelmente no próximo ano, em algum momento, mas Joe precisa de tempo para seu projeto de música solo - a música tem um ótimo som e eu estou animado para o mundo ouvir - então nós temos apenas que ser pacientes. Mas, os Jonas Brothers estão definitivamente ainda juntos. Agora estamos apenas fazendo coisas diferentes, como indivíduos, mas estamos sempre juntos.

E quanto a faculdade?

A idéia de ir para a faculdade é interessante para mim. No entanto, eu não sei se eu serei capaz de fazer. Há um monte de oportunidades de carreira para mim agora, e o que eu estaria estudando é o que eu estou realmente fazendo no mundo, buscando a minha paixão, então eu não sei se faz sentido começar um estudo. Embora eu também pensei em me formar em Inglês - que seria a outra coisa que eu gostaria de fazer -, então vamos ver. Eu não estou fechando a porta completamente, eu só não sei se agora, neste momento, posso dizer que é algo que eu quero fazer. Mas eu já vi muitas escolas diferente, como o Northwestern, que foi uma experiência interessante. Era basicamente um acampamento de verão com um monte de crianças do ensino médio, e, basicamente, acabou que nós tivemos que encontrar rapidamente uma saída, mas foi bom apenas para ir e ver a escola, o que é tudo, embora eu não cheguei a ver tudo.

Você está muito envolvido na defesa da diabetes, tanto com a sua própria organização sem fins lucrativos, a Change for the Children Foundation, e a American Diabetes Association e no seu trabalho com a Bayer Health Care, que realiza o Nick’s Simple Wins, um programa que incentiva os jovens com diabetes se concentrar em pequenas vitórias cotidianas. O que você espera realizar, em geral?

É realmente sobre ser alguém que as pessoas com diabetes podem olhar e dizer que vai ser bom viver sua vida cotidiana e seguir os seus sonhos com diabetes - que é a coisa principal. Junto com isso, fazer o que pudermos para ajudar financeiramente também. Isso é que dá para hospitais e organizações fazerem grandes coisas com diabetes, os campos de diabetes. E o que eu gostaria de ver - a cura é o objetivo final, no final do dia, se eu estou sendo honesto. Se na minha vida eu posso ver isso acontecer, isso seria uma coisa incrível. Mas, por agora, é sobre as pequenas coisas, ajudando os indivíduos com diabetes e as organizações que estão fazendo grandes coisas para ajudar as pessoas, também.

Dado seu status como o principal garoto-propaganda da diabetes, tenho certeza que você aprendeu muito sobre como as pessoas vêem a condição. Qual é o maior equívoco?

Eu acho que o maior equívoco que as pessoas têm sobre o diabetes é puramente que não é tudo só o tipo 2. Obviamente, [os tipos 1 e 2] são muito diferentes, e que pode ser frustrante, e eu falei com outros diabéticos tipo 1 sobre isso antes. Com o tipo 1, você pode comer o que quiser, contanto que você tome a insulina de que necessita para isso, enquanto você fica em cima dela e sabendo o que você está comendo e quanto está se exercitando, e apenas gerindo a situação. As pessoas são um pouco ignorantes quanto a isso. Não que alguém tenha sido rude sobre isso, mas há pessoas que tentam ser o meu médico, e isso é meio frustrante, porque eu definitivamente sei mais sobre a minha diabetes do que eles.

Mas [ser um porta-voz], foi uma bênção em muitas maneiras. Mesmo que cada pessoa que encontro não seja diabético, apenas o fato de que eu tenho falado sobre algo que me faz diferente e me faz vulnerável, eu acho, toca as pessoas em uma maneira que eu nunca teria imaginado. Mesmo se não é pela diabetes que se está passando - poderia ser algo em sua vida pessoal, uma outra doença - eu acho que isso ajuda só para saber que há alguém lá fora lutando com coisas, mas ainda perseguindo seus sonhos e objetivos. Eu quero que as pessoas saibam que isto é algo que me aconteceu exatamente quando as coisas estavam começando a acontecer com meus irmãos e eu, e que poderia facilmente ter sido o ponto em que disse: "Acabamos de sair da nossa gravadora, eu fui diagnosticados com diabetes; vamos parar." Mas nós não fizemos, e estou muito agradecido que não, porque nós temos um monte de coisas para sermos gratos estes dias.

Eu seria negligente se não perguntasse, em nome de todos os nossos leitores adolescentes, se você está namorando alguém estes dias. E se sua diabetes é um problema quando se trata de relacionamentos amorosos?

Vou responder a segunda pergunta primeiro: A minha diabetes, por vezes, fez os relacionamentos - especialmente os românticos - difíceis, porque é difícil para as outras pessoas entenderem. Eu só acho que se [a namorada] não tem uma compreensão clara de como é se sentir a cada alto ou baixo - se não expliquei o suficiente - então isso pode ser muito confuso quanto ao que estou sentindo em um determinado ponto. Eu tive o grande prazer de ser capaz de encontrar e namorar até agora algumas grandes pessoas que entendem, e que são muito sensíveis, mas também alguns outros que não entenderam muito bem, então esses [relacionamentos] não estão mais em vigor.

Voltando para a primeira pergunta: eu acho tempo para namorar e eu acho que é realmente importante - eu sou um garoto de 18 anos de idade, que é algo como, o que você faz é namorar - mas eu tento manter os detalhes de minha vida amorosa para mim.

Tendo partilhado tanto de sua história pessoal com os fãs, existem outras celebridades com diabetes que você gostaria de encontrar e trocar histórias de lutas?

Há uma pessoa que eu realmente gostaria de encontrar: Um dos arremessadores do Toronto Blue Jays [Brandon Morrow] é diabético, e eu acho que seria muito interessante conhecê-lo. Sou um grande fã de beisebol - adoro jogar e assistir aos jogos - então eu espero ter uma boa partida, atirar a bola, e falar sobre a vida com diabetes. Isso seria divertido.

Você escreveu o famoso hit dos Jonas Brothers "A Little Bit Longer", que inclui o refrão "Um pouquinho mais, e eu estarei bem", sobre sua luta com a diabetes. Você já escreveu mais alguma música sobre lidar com sua saúde?

Não tenho escrito nenhuma música mais sobre a diabetes, mas tenho escrito músicas sobre as lutas pessoais, coisas que você precisa passar, e eu acho que a diabetes pode se encaixar nisso. "A Little Bit Longer" é a coisa mais pessoal, mais direta que eu já escrevi sobre a diabetes, e que ocupa um lugar especial para mim. A outra parte é que agora ocupa um lugar especial para pessoas que escutam a música, mas em sua própria maneira. Para mim, é sobre a diabetes, mas para alguém que ouve, pode ser sobre qualquer luta que está acontecendo em sua própria vida.

Pensando de volta para onde eu estava quando eu escrevi - naquela sala pequena em um hotel em Toronto, Canadá - é apenas um conceito que se eu esperar um pouco mais, tudo vai ficar bem, que enquanto a esperança está viva, vai dar tudo certo.

Se um dia realmente acontecer de você estar bem- quando houver uma cura para a diabetes - como você acha que você iria reagir?

 Eu já falei sobre isso com amigos e família: Se a cura estivesse disponível, o que eu faria - se é algo que eu pensei que eu iria querer fazer. Eu acho que é, eu gostaria de ser curado. No entanto, eu não sei o que eu faria. Eu olho para trás e tento imaginar o que minha vida seria se eu não tivesse diabetes, e eu não sei - eu sinto que eu ainda continuaria pensando, eu ainda estaria contando carboidratos e descobrindo como administrar a insulina. É algo que eu lido a cada segundo de cada dia, é uma parte muito importante da minha vida, que se tivesse ido embora, eu não sei como seria, eu não sei como eu conseguiria.

Talvez isso passaria, mas tenho certeza que vou ter diabetes por um tempo ainda, porque eu acho que ainda estamos longe de uma maneira de curar, infelizmente. Então, por enquanto, eu apenas tento ir a cada dia com a mentalidade que isto é algo que não vai me segurar, isso é algo que eu possa viver e vai ficar bem, e só isso me ajuda a sair dessa.

Fonte: LTDJ

Um comentário:

  1. nooooooooossa, AMEI a entrevista!
    obrigada por traduzirem :)

    ResponderExcluir